quinta-feira, 2 de julho de 2009

Corinthians Grande


Eu tinha pensando num post incrível caso o Colorado Mais Lindo do Mundo conseguisse levar essa Copa do Brasil...lindo, cheio de odes e coisitas mais, porém não levou e achei que seria injusto da minha parte não comentar o feito do Corinthians. Então, vamos lá...

Como todos sabem, o Timão do Parque São Jorge ganhou o jogo de ida, no Pacaembu por 2 x 0, forçando assim, um quase impossível resultado de 3 x 0 no Beira-Rio.

O Inter não desanimou, precisava de três gols e ainda segurar lá atrás pra não tomar nenhum, os dias passaram e a torcida colorada viu seu time tomar um chocolate do Flamengo e perder o primeiro jogo da Recopa contra a LDU, em casa. Era uma derrota anunciada? Muito provavelmente, mas mesmo assim a torcida compareceu em peso e lotou o Gigante, o Inter estampou o capitão Guiñazu no seu site, chamando a torcida e lembrando do "Gre-nal do século".

Pouco morde quem muito ladra.

O Inter, que tem por sua casa, o estádio conhecido como Gigante de Beira-Rio, que gosta de lembrar que é campeão de tudo, o rolo compressor, entrou pequeno em campo. Não jogou metade da bola que havia jogado na primeira partida, estavam com tanto medo que esqueceram comofas/ pra passar a bola e chutar no gol.

Gigante ali, só tinha um, o Corinthians. Que mesmo podendo segurar o resultado, super confortável, de 0 x 0, criou muito mais situações de ataque. O Timão não teve medo de Nilmar, apagado em campo, mas o Inter borrou-se com Ronaldo, marcaram o Bolinha e esqueceram de todo o resto, principalmente Jorge Henrique (que tá jogando o que nunca jogou no Glorioso ¬¬) e Elias, soltinho soltinho cruzando tudo o que queria na área.

Aos 19 do primeiro tempo, Jorge Henrique abriu o placar, já não eram mais três gols que o Colorado precisava, mas quatro. Olha, eu já vi neguinho fazer o impossível em campo (lembram da Mercosul? Palmeiras e Vasco? Aflitos? Então....basta querer), mas tem que querer, porra! Não basta um cara, Guiñazu, sempre guerreiro, correr em campo, se matar, se todo mundo já entregou a toalha.

André Santos, retornando da Seleção, com mesmo (ou maior) desgaste de Nilmar, fez a parte dele, aumentando o placar aos 28. Cinco gols? Eu que sou dada a não desistir jamais, já tinha desencanado. O jogo virou de um time só e ficou chato. Fui até o intervalo quase dormindo. Começou o segundo tempo, eu dormi.

Acordei com o primeiro gol do Inter, aos 25 do segundo tempo feito por Alecsandro. Acordei eu e acordou o Beira-rio, acordou o Colorado, que quatro minutos depois veria Alecsandro balançar a rede de Felipe de novo. Não sei se o Inter tava vivo, mas pelo menos o Alecsandro estava.

E ai fechou o tempo, D´Alessandro resolveu que queria brigar, mas brigou sozinho. Armou o circo e foi mandado pra rua, junto com o Tite e o Mano. Não sei até que ponto eu teria a mesma reação do Dalê. Perdeu um jogador, mas ganhou um tempinho aí pra ver se rolavam três golzinhos. O Corinthians perderia um jogador também, minutos mais tarde, Elias, e deveria ter perdido outro, já que o juíz se enrolou com a contagem de cartão amarelo. Sinceramente, não lembro se foi com o Jean ou o Douglas.

Mas o Inter morto-vivo dentro de campo não diminiu a vitória do Corinthians, pelo contrário, mostrou que os colorados tiveram medo, cagaço, pavor da força da maloqueiragem, que depois da fiasqueira do ano passado com o Sport, queria por que queria essa Copa do Brasil.

Outra coisa que me intrigou foi a torcida Colorada, que se deu ao trabalho de lotar o estádio, preparar a festa e calar. Se não sabe torcer, não torce. Gritar quando o tempo fecha dentro de campo é fácil, até eu gritei aqui "Quebra alguém, Dalê!", mas e aí?

O Timão voltou. Disputa a Libertadores no ano de seu centenário. E não é todo dia que um time faz cem anos, espero que o Inter lembre disso.

6 Comentários:

oseomessias disse...

Muito bom o seu post, principalmente vindo de uma Colorada. Você mostrou que no final futebol é apenas futebol e que não carece de ódio,vingança nem dor. Sou corintiano e foi um bom jogo, não tem graça ganhar de um time que não luta (no duplo sentido).

Jenny Taylor disse...

Gato, não sou colorada.

Sou carioca e botafoguense lol, mas sim, estava torcendo pelo Inter, mas isso não quer dizer q eu não reconheça que o corinthians mereceu mto mais.

Etevaldo disse...

O que foi o Dalessandro correndo atras do William, heim? Pareceia um galinho garnizé!

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Agora o Fernando Carvalho pode vender o DVD do dossie nos camelos, ou nas lojinhas de 1,99!

Calorado não foi a padaria hoje, o sonho acabou!


kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

E dá-lhe tricolor!!!!

Zè da Fiel disse...

Jà somos conhecidos? Jà somos amigos? Jà estamos intimos o suficiente? Se sim...
Então com todo respeito...faz um pra min. Faz um texto pra nòs corinthianos, os favelados, maloq1ueiros, os primos-bebados bringuentos que estragam natal e aniversario. Faz um texto pro Edilson, pro Leandro, e um pro Cristian, O MELHOR EM CAMPO. Faz um texto pra nação que adora quando tem confusão na final, que pede pra vitoria seja: - com um gol impedido no ultimo minuto! -
Por que se na final não tiver briga, ganhando ou perdendo, se não tiver confusão não è CURINTHÀ.
Esses maloqueiros do caralho

Thiago Panza Guerson disse...

Eu lembrei de você durante o jogo, mas como o Inter não entrou em campo no 1º tempo, resolvi torcer contra os dois times.

Beijos

bypoesia disse...

Bom foi exelente jogo, mas pro timão que apesar do Ronaldo estar bem marcado e perder uma oportunidade de gol que não poderia errar, só que quem não erra? Isso ficou provado que até os melhores erram digo melhor de superação porque igual a fenomeno não tem... Sobre o jogo muito bem comentado você deveria virar comentarista de futebol... Menos na Globo uma mente dessas não pode ser manipulada e sim deixar soltar o que pensa adorei este texto, sou corintiano e pelo corinthians ter papado essa copa em cima do se diz melhor time do ano dentro do brasil é pra averiguar esse titulo dado ao inter revendo esses ultimos dias de jogos... Valew!

Postar um comentário

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO